A farsa do abaixo-assinado no site “All Out” em favor do PLC 122

Há alguns meses atrás foi lançado um abaixo-assinado online pelo pessoal do site “All Out”, http://allout.org , cujo domínio encontra-se registrado nos EUA, em Nova York. O abaixo-assinado está na parte do site em Português, e é dirigido ao Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo:

http://allout.org/pt/actions/chegamosaolimite

http://allout.org/pt/actions/chegamosaolimite/taf

com o título “Chega de Mortes”, e como apresenta o endereço do site: “chegamos ao limite”. No entanto, além de ter pouco valor por ser on-line,  tem ainda menos valor pelo fato de não exigir CPF/RG, apenas uma “assinatura eletrônica”, com e-mail, nome e sobrenome – obviamente uma pessoa poderá assinar várias vezes.

Outro motivo importante que invalida este tipo de ação: a ABGLT entregou ao Congresso cerca de 100.000 assinaturas a favor do PLC 122, por outro lado, foi também levado ao Congresso um documento com  mais de 1.000.000 (um milhão) de assinaturas CONTRA o PLC 122, o que por si só, já seria suficiente para finalizar qualquer discussão sobre esta lei, em função da massiva manifestação contrária.

Agora vamos ao assunto do título desta postagem, o que consideramos ser uma falsificação.

Durante semanas acompanhamos o crescimento lento das assinaturas, tendo alguns momentos de grande crescimento e pausas, até que percebemos algo estranho, como, assinaturas de pessoas de outros países.

Não apenas de brasileiros que vivem no exterior, mas de cidadãos de outros países. Se é um abaixo-assinado para um Ministro do governo Brasileiro, sobre um projeto de lei que diz respeito aos cidadãos brasileiros, são os cidadãos brasileiros que devem assiná-lo, apresentando sua documentação a fim de validar a assinatura. Capturamos algumas imagens para provar (clique nas imagens para ampliar):

– Maria de las Mercedes, da Argentina (10/02/2012 às 20:17h):

– Alfredo (Argentina) e Cinthia (Uruguai) – (10/02/2012 às 10:02h):

– Lettie, do México (10/02/2012 às 14:11h):

assim como outros da Argentina, e ainda temos imagens com assinaturas de cidadãos do Chile, Cuba, etc, além de brasileiros que estão no exterior. Assinaturas de cidadãos de outros países não devem ter efeito sobre qualquer abaixo-assinado de cidadãos brasileiros para o governo brasileiro.

Em uma das páginas está a seguinte descrição:

“O país que irá em breve ser o anfitrião da Copa do Mundo e das Olimpíadas está caminhando a passos largos para se tornar o lugar mais perigoso no mundo para gays, lésbicas, bi e trans – exatamente como em 2010. Apesar da violência alarmante, o Congresso Brasileiro empacou com a lei que criminaliza a homofobia. Mas isso não significa que o Governo brasileiro não pode fazer mais nada para  garantir o direito à vida de tod@s @s brasileir@s.”

Interessante a declaração de que o país está “caminhando a passos largos para se tornar o lugar mais perigoso no mundo para gays, lésbicas, bi e trans – exatamente como em 2010”. Até parece que no Brasil há pena de morte para gays e que a maior (ou uma das maiores) parada gay do mundo ocorre em Teerã e não em São Paulo!

No Brasil o assassinato é crime, no entanto a mera existência da lei não intimida os criminosos, que continuam praticando assassinatos em todo o país. De maneira análoga, uma lei que criminalize determinados atos contra LGBT’s (muitas vezes cometidos por LGBT’s), não implicará na diminuição de vítimas LGBT’s. Isto porque vemos no Brasil a violência generalizada, com cerca de 50.000 homicídios por ano, incluídos os crimes onde LGBT’s são as vítimas – crimes comuns, sem qualquer ligação com sua orientação sexual. Dados que corroboram esta afirmação encontram-se em nossos relatórios anuais. Matar, caluniar, injuriar e difamar pessoas já é crime no Brasil, e LGBT’s também estão  protegidos pela lei, não por sua orientação sexual, mas por serem pessoas como quaisquer outras (embora a existência da lei não garanta segurança pública). Os objetivos do PLC 122 são outros…

Agora vamos citar uns dados de 2010 que estão no site do FBI, (aqui) informações da Justiça Criminal sobre “crimes de ódio” nos EUA, um país bem liberal em relação ao Brasil:

                                                  Incidents      Offenses

Religion: ………………………..    1,322          1,409

Sexual Orientation: …………..     1,277          1,470

Ethnicity/National Origin: …..         847         1,040

Há mais casos de agressões contra religiosos e por origens étnicas do que contra LGBT’s !!!

Quer dizer então que podemos concluir que é mais perigoso ter alguma religião do que ser LGBT nos EUA? Pois é esse tipo de procedimento, conclusões exdrúxulas, que exibem muitos ativistas gays no Brasil (e provavelmente no mundo).

(Em tempo: Na parte “Sexual Orientation” há 21 casos de ódio Anti-Heterosexual, isso existe!)

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

23 respostas para A farsa do abaixo-assinado no site “All Out” em favor do PLC 122

  1. UM00 disse:

    “LEIA mais uma vez nosso post” é perda de tempo, a maioria das opiniões são pré-definidas, ou seja, a maioria entra nesses blogs apenas para manifestá-las, sem se importar em ler direito ou pensar sobre o que escreveram no blog. Assim como existem os que não provam o que dizem, ou seja, tomam uma primeira impressão sobre um assunto e seguem com ela pro resto da vida, esteja errada o quanto estiver. A maioria da população humana não nasceu pra raciocinar bem.

    Obs. apenas minha opinião, não concordo muito com o nome do blog, a meu ver não parece muito adequando, mas posso estar enganado.

  2. ayrton miguel disse:

    Vejo esta idéia contra gays que na verdade são contra o que é diferente , isto não é só crime porque vai contra a vida humana mas estimula a violencia e isto é crime tb e as Igrejas em vez de ter carinho com os tais aumenta e estimula o ódio onde a maioria das Igrejas lá tem os homossesuais e não há como correr disto mesmo na Biblia dá vasão como Jonas e David e rute e sua criada por isso devem acolher não só por lei mas por solidão e as comunidades gays deveriam estimular casais entre sis e diminuiria homo nas ruas.

    • Ser “contra o que é diferente” é algo tão vago como o rótulo de “discursos de ódio” que ativistas gays usam como ferramenta de ataque, contra aqueles que pensam diferente deles.

      Nós aqui combatemos fanatismos, tanto entre igrejas como entre ativistas gays, que divulgam números de assassinatos de homossexuais como se todos fossem crimes de ódio, o que já demonstramos não ser desta maneira. Assim como abaixo-assinado pela internet não apenas não resolve como uma pessoa pode “assinar” diversas vezes.

  3. Bruno Henrique disse:

    apoio isso mesmo
    homofobia nao existe
    os gays sao um bando de sem vergonhas
    vão rezar seus homossexuais sem vergonha

    • Calma Bruno,

      nós aqui denunciamos os exageros dos ativistas gays, mas há “sem vergonhas” entre homo e héteros também. Abraço.

    • Adilson disse:

      Se você procurar saber o significado de homofobia, verá o quão discriminatório é chamar um grupo de pessoas de “Sem vergonha”, sem nenhum motivo aparente.

      Mas um dia você chega lá.
      Abraços.

      • Homofobia significa “medo do igual/semelhante”, se “homo” referir-se a homossexual, então significa “medo de homossexual”. Simples assim. A militância inventou outro significado para esta palavra, e a utiliza para rotular seus desafetos (mais uma palavra dentre as muitas que utilizam).

        O comentarista anterior, que chamou os gays de “sem vergonha” esqueceu-se que há muitos heteros “sem vergonha”, pois isto independe da “orientação sexual”.

  4. Edu disse:

    “(…) cerca de 100.000 assinaturas a favor do PLC 122, por outro lado, foi também levado ao Congresso um documento com mais de 1.000.000 (um milhão) de assinaturas CONTRA o PLC 122, o que por si só, já seria suficiente para finalizar qualquer discussão sobre esta lei, em função da massiva manifestação contrária.”

    Por que será, hein? Se heterossexuais são maioria, se cristão são maioria, se crer é mais fácil que pensar.

    Muitos amigos cristãos que tenho, sem mesmo analisar o que o projeto propõe, são contras visto a pregação do pastor referente à “mordaça gay”.

    A lei do racismo nos EUA, onde maioria era branca, deveria nunca ter sido aprovada caso dependesse do voto popular dessas pessoas. Democracia não é ditadura da maioria. Em hipótese alguma devemos deixar de fazer o certo baseado no que “pensam” determinado grupo de pessoas que querem apenas manter seu status confortável de privilégios.

    Achei o blog interessante.

    Paz a todos!

    • Olá Edu,

      Há pessoas que não se informam e seguem o que dizem seus líderes, sejam religiosos, políticos e militantes dos mais variados. Nos EUA, muitos brancos saíram em favor da libertação dos escravos, principalmente do norte daquele país, o que também contribuiu para a guerra civil.

      Democracia seria a ditadura da minoria? Claro que não. Democracia implica na escolha da maioria, mas, se existir respeito pelas minorias é ainda melhor, no entanto, quem elege os representantes, em geral, é a maioria. Certamente em países onde cristãos são minoria, deve haver sempre um pedido para respeitar as minorias, por parte dos mesmos. Então, por uma questão de coerência, deve haver respeito pelas minorias também por aqui. Abc.

      • André dos Santos disse:

        Pra falar a verdade, a Abolição da escravatura na maioria dos Países, não só nos EUA, mas também no Brasil teve desempenho principalmente dos “brancos”.

        Outro ponto: No meu ponto de vista o art. 5º caput da Constituição Federal já diz tudo o que precisa ser dito
        – Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
        I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;

        Na minha humilde opinião, os praticantes da homofobia são os próprios homossexuais…

  5. Frank disse:

    Cidadão! Com certeza vc está de parabéns. Seu trabalho é uma pancada no extremismo político. Seu levantamento dos crimes envolvendo LGBT está coerente, pois nem todos os crimes contra gays são de fato crimes de homofobia. Em Palmas, Tocantins, tem havidos vários casos de mortes de gays e o que mais fico surpreso é que a relação que existe entre seus dados e os das ocorrências é que de fato suas informações são coerentes, pois os crimes foram cometidos por pessoas que de alguma forma mantinham relações sexuais permanentes ou casuais com as vítimas. Não resta dúvidas de que os assassinos eram gays. O bom seria se você pudesse ter acesso as ocorrências e processos para que divulga-se aqui no seu site. O fato é que a grande mídia nunca mostra esses crimes com imparcialidade. Nunca mostram a relação do autor com a vítima, porque na fala deles o criminosos nunca são gay e sim vítima. O grupo gay faz aquele barulho todo, mas não mostra as provas como: inquéritos policiais, processos criminais etc. Eles apenas atribuem a vítima a qualidade de gay e seus agressores pessoas quaisquer menos gays.

    Só uma pegunta, é possível colocar aqui uma imagem de um jornal?

    • Caro Frank, agradecemos sua mensagem.

      Apresentamos links para veículos de informação. As vezes a notícia sai no jornal impresso, mas como também sai na internet, preferimos postar o link junto com a notícia, quando apresentamos o resumo da notícia. Apenas os dados de 2001 e 2004 não têm links porque são os dados do próprio Grupo Gay da Bahia (GGB), encontrados por acaso nos recantos da internet. Conseguimos poucos links por serem notícias antigas, mas, mesmo com os próprios arquivos de dados do GGB (que eles não apresentam), fica evidente o exagero quando divulgam seus “relatórios”. Já para 2011 temos nossa própria pesquisa, e aí sim, cada notícia segue um link para um jornal, a fim de que qualquer um possa verificar a informação.

      Recebemos também sugestões de notícias de nossos colaboradores, se vc conhecer alguma notícia de um veículo de sua região ficaremos agradecidos se puder enviá-la para nós.

  6. Carlos Queiros disse:

    Parabéns esse site deveria aparecer nas primeiras pesquisas do google quando batido pilantragem gay

  7. Simone disse:

    Vamos ver a seriedade desse ‘blog’ agora.

    Falso é isso aqui ó:”Agora vamos ao assunto do título desta postagem, o que consideramos ser uma falsificação.’Durante semanas’ acompanhamos o crescimento lento das assinaturas, tendo alguns momentos de grande crescimento e pausas, até que percebemos algo estranho, como, assinaturas de pessoas de outros países.”

    Em primeiro lugar não tem SEMANAS que o vídeo foi colocado. Em vez de escrever essa mentira, vocês tinham que ter pesquisado…
    Segundo: O site NÃO aceita que assinem duas vezes. vocês ‘deveriam’ ter pesquisado…
    Enfim, A nossa luta tem apoio de Organizações sérias, de vários países, e de pessoas de vários países, portanto, quem apóia assina.
    Acho no mínimo MUITO SÉRIO vocês saírem falando do que não sabem, sem pesquisar, sem checar… Isso não é inteligente. Não é mesmo.

    • Mais uma vez: Leia atentamente o nosso texto (mas não usando computadores do SERPRO, em horário de serviço vá trabalhar!).

      Vamos desenhar para ver se vc entende:

      1 – em nenhum momento comentamos sobre o vídeo;

      2 – o vídeo foi colocado bem depois de ter sido iniciado o “abaixo-assinado” (e mesmo assim não comentamos o vídeo);

      3 – a mesma pessoa pode “assinar” mais de uma vez sim, bastando usar outro email, inclusive pode colocar um email fake, dados falsos e assinar quantas vezes quiser;

      4 – o “abaixo-assinado” deve partir de cidadãos brasileiros, e ter somente assinaturas de cidadãos brasileiros, com seus respectivos números de documentos para que o mesmo tenha algum valor;

      5 – já foi enviado documento com mais de um milhão de assinaturas contra o PLC 122 (veja link no texto), então este assunto já deveria ter sido encerrado;

      6 – assassinato de pessoas é crime, alguns casos terminam sem solução por falta de pistas/provas, ou em função do poder financeiro do réu, pode terminar em impunidade, e isto sem qualquer relação com a orientação sexual das vítimas;

      7 – em horário de serviço no SERPRO, vá trabalhar!

    • Mais uma vez: Leia atentamente o nosso texto (mas não usando computadores do SERPRO, em horário de serviço vá trabalhar!).

      Vamos desenhar para ver se vc entende:

      1 – em nenhum momento comentamos sobre o vídeo;

      2 – o vídeo foi colocado bem depois de ter sido iniciado o “abaixo-assinado” (e mesmo assim não comentamos o vídeo);

      3 – a mesma pessoa pode “assinar” mais de uma vez sim, bastando usar outro email, inclusive pode colocar um email fake, dados falsos e assinar quantas vezes quiser;

      4 – o “abaixo-assinado” deve partir de cidadãos brasileiros, e ter somente assinaturas de cidadãos brasileiros, com seus respectivos números de documentos para que o mesmo tenha algum valor;

      5 – já foi enviado documento com mais de um milhão de assinaturas contra o PLC 122 (veja link no texto), então este assunto já deveria ter sido encerrado;

      6 – assassinato de pessoas é crime, alguns casos terminam sem solução por falta de pistas/provas, ou em função do poder financeiro do réu, pode terminar em impunidade, e isto sem qualquer relação com a orientação sexual das vítimas;

      7 – em horário de serviço no SERPRO, vá trabalhar!

  8. Simone disse:

    “A farsa do abaixo-assinado no site “All Out” em favor do PLC 122???”
    Quem escreveu isso aí viu o vídeo?
    Me desculpe, mas a questão aqui é justiça para um assassinato que completa 10 anos sem solução hoje, pois ocorreu dia 1° de março de 2002.
    Cuidado com os equívocos, estamos em busca de justiça.
    JUSTIÇA – UM DIREITO DE TODOS.

    • A questão abordada em nosso post não é a justiça ou não ao assassinato mostrado no vídeo, mas ao abaixo-assinado para um ministro do Estado brasileiro com “assinaturas” de estrangeiros, e nem mesmo os cidadãos brasileiros que “assinam” deixam qualquer número de documento.

      LEIA com atenção nosso post.

    • A questão abordada em nosso post não é a justiça ou não ao assassinato mostrado no vídeo, mas ao abaixo-assinado para um ministro do Estado brasileiro com “assinaturas” de estrangeiros, e nem mesmo os cidadãos brasileiros que “assinam” deixam qualquer número de documento.

      LEIA com atenção nosso post.

  9. Idevam disse:

    E Pilantragem Ta Na Carra

    • Simone disse:

      Pilantragem é chamar uma luta por justiça de pilantragem.
      No dia em que arrancarem alguém muito querido da sua vida com um assassinato covarde eu quero ver vc chamar a sua luta de pilantragem… Vai procurar o que fazer.

      • LEIA mais uma vez nosso post.

        Não questionamos a busca por justiça no caso de um assassinato, questionamos o “abaixo-assinado”, bem como sua vinculação aos crimes envolvendo LGBT’s, com a “homofobia”, quando muitos destes assassinatos são cometidos por LGBT’s, por companheiros gays, por garotos de programa, etc. O caso do vídeo é um caso específico, não questionado em nosso texto.

        Procurar o que fazer deve você, que usa computadores do SERPRO em horário de serviço, para visitar e postar cometários em blogs. Vá trabalhar!

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s